Doidivana

blog de Ivana Arruda Leite

LOLA, JOCA E AS RUAS SEM SAÍDA

10 comentários

na revista LOLA deste mês tem uma crônica minha. “O direito de ser doida”. Lê lá e me diz o que achou.

2a. feira (05.03) Joca Reiners Terron autografa o seu “Guia de ruas sem saída” na Mercearia, a partir das 19h30. Um livro “híbrido”.

Saiba mais aqui:

e aqui

10 thoughts on “LOLA, JOCA E AS RUAS SEM SAÍDA

  1. Ivana
    Adorei sua crônica na revista Lola. Não conhecia suas escritas, mas senti uma emoção muito grande enquanto lia suas palavras. Era como se você converssasse comigo como uma mãe carinhosa que acolhe o filho machucado. Você tem razão em cada frase. Demorei muito para perceber que estava há tantos anos tentando me adequar às pessoas, ao ambiente, ao inconsciente coletivo enfim… mas virei a mesa e estou colocando para fora o meu eu adormecido. Estou, devagarinho -e um tanto assustada, me dando o direito de ser doida e corajosamente feliz. Obrigada. Um beijo grande e votos de muito sucesso.

    Helga

  2. Muito bom, adorei a sua crônica deixou-me emocionada! Eu passei por isso e ainda passo, e foi com a leitura da sua crônica que entendi que precisamos procurar a felicidade geograficamente! Muito bom, eu não tinha pensado nisso!

  3. Oi, Ivana! Tornei-me assinante da LOLA e esse é meu primeiro exemplar, recebi a revista na sexta-feira, mas só pude ler agora, segunda-feira. Amei sua crônica. Nossa, vc escreve bem pra caramba! Um assunto até espinhoso, mas vc dá o recado direitinho. Sou doidinha a minha maneira e vou tentando ser feliz. Adorei qdo vc diz: “…Nossas maluquices só são perigosas qdo vistas no quarto escuro dos nossos temores…” Mtos abraços, Amparo Rodrigues Moreira.

  4. Muito boa a sua crônica Ivana sempre pensei a respeito, pensar diferente faz com que sejamos deixados de lado pela sociedade dita ” normal” , mas não me importo. Adoro o seu blog seus textos ah a foto no final da revista ficou linda! Abs.

    Simone Camponez

  5. Ivana não pude deixar de associar sua crônica na LOLA com o artigo de Hélio Schwartsman na Folha Ilustrada de ontem. Ao final ele diz que para termos boas idéias precisamos de um “número razoável de pessoas do contra”. Acho que a criança descrita em seu texto, defendida na tese pelo direito de ser doida, é o adulto que faz a diferença na derrubada do reinado da unanimidade burra. Fátima/ Laguna/SC

  6. Ai meu Deus, preciso comprar a revista. Quero ler sua crônica e preciso. Será que tem online!?

    Beijos

  7. Valeu a nota sobre os 20 da Granta. Acabo de ler na Lola a entrevista com a Rosiska. Há alguns anos li dela “Reengenharia do Tempo” e adorei o papo agora na revista. Fatima/Laguna/SC

  8. Fui ali na padaria e comprei a Lola. Gostei da sua crônica, sobretudo porque falando de sua experiência você conversa com as pessoas certinhas, ao mesmo tempo em que encoraja as que estão fora da bitola, a procurar geograficamente sua felicidade. É a busca do que Nietzsche sugeriu: “torna-te aquilo que és”. Agora vou olhar os demais artigos. Fatima/ Laguna/ SC. P.S: alguma notícia sobre os 20 brasileiros classificados pela revista Granta?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s